Helmuth Hofstatter*

O sucesso das operações de importação e exportação depende da troca de informações entre diferentes intervenientes logísticos. Para utilizar esses recursos da melhor forma, é necessário processar um grande volume de dados a fim de transformar informações em uma inteligência valiosa para negócios do Comércio Exterior.

Na cadeia logística este é um processo complexo, que precisa ser bem estruturado para acontecer de forma eficiente. A análise pode envolver dados particulares e/ou externos capturados da base de terceiros, que precisam ser classificados, agrupados e analisados para gerar insights e preditividade. Além disso, o processamento de dados tem como objetivo barrar e separar dados que apresentam alguma informação incorreta.

Com o grande volume de informações, algumas ferramentas tornam o processamento de dados possível. Quando falamos em fontes oficiais, como a Receita Federal, temos o Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), que permite aos participantes da cadeia logística registrar o processo de importação e exportação, gerando um grande banco de dados. Outra ferramenta importante é o Sistema de Seleção Aduaneira por Aprendizado de Máquina (Sisam), responsável por coletar os dados referentes a históricos de declaração de importação, sejam elas supervisionadas ou não supervisionadas.

O Brasil também conta com o Intelligent and Integrated Customs Transactions Analyzer (ANIITA), que tem como objetivo extrair dados dos mais variados sistemas e apresentar os dados mais relevantes para a liberação alfandegária. Todos essas ferramentas utilizam o gerenciamento de dados como uma forma de facilitar as transações comerciais de forma segura pelo país.

Uma das características do trabalho com dados é o processamento em tempo real, que acontece de forma imediata, organizada e ordenada por meio de registros como em um Workflow. A exemplo do Tracking Automatizado, a conclusão de um processamento de um embarque.

Seguindo a ideia do gerenciamento, também está disponível a tecnologia Big Data para uma organização de dados ainda mais eficiente. Com um Big Data Analytics, a exemplo da LogComex, é possível analisar o grande volume de informações e aproveitar de forma estratégica os dados dispostos em uma plataforma de Business Inteligente, focada no desenvolvimento e análise de negócios.

Com isso podemos ver que o processamento de dados é de extrema importância tanto na estratégica e também operacional da empresa, para a operação e gestão de comércio exterior.

Helmuth Hofstatter
*Empreendedor apaixonado por tecnologia e inovação, possui mais de 12 anos de experiência no segmento de logística internacional, fundador da LogComex, startup de big data, inteligência e automação para logística internacional. É especialista em gestão de produtos e nas mais diversas soluções voltadas ao universo do comércio exterior.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.